sábado, 11 de abril de 2009

FOI ONTEM QUE TUDO ACONTECEU


Rogel Samuel (Manaus, 1943) não é um novo poeta: Desde os anos 60 escreve e publica -já em 1965 era incluído na antologia de Anísio Melo, Lira Amazônica, publicada em São Paulo; e aparece também na Grande Enciclopédia da Amazônia (Belém, 1968) de Carlos Rocque. Publicou muitos poemas em revistas e jornais, ainda que a grande parte de sua obra permaneça inédita (cerca de 200 poemas). E é como poeta que hoje aparece na Enciclopédia da Literatura Brasileira (Afrânio Coutinho e J. Galante de Sousa, MEC). Por isso é que, quando finalmente ele publica os seus Poemas (Rio de Janeiro, 1990, 120 poemas, edição limitada a poucos exemplares, encadernados) insistimos em comentar a sua poesia.

Os Poemas de Rogel Samuel estariam inseridos numa nova proposta literária? Seriam características de uma fase de transição na literatura, ou estariam inaugurando (talvez, com outros poetas das duas últimas décadas) uma mudança na História da Arte da Poesia? Poesia lírica ou poesia épica? Poesia épico-lírica?

O certo é que seus versos são incomuns, e o incomum não é privilégio de todos. Por ser incomum, ainda não há como caracterizar sua obra poética. Que é uma narrativa (ou várias) não há dúvida. Narrativa fragmentada, como fragmentado é o homem do século XX. Narrativa-ruptura contra o instituído, o tradicional, inclusive, contra as antigas rupturas da forma poética. O sujeito poético trabalha-batalha com o não-dito e é uma operação de vida e de morte. Ele vive e morre e renasce a cada verso, porque, ao nascer, uma fénix pronunciou seu nome e apresentou-lhe o tesouro do "vazio criador". Um não ao preenchimento instituído. O preenchimento instituído não faz parte de seu fazer literário. Seus versos navegam águas profundas: " Não velejarás/ por viajar/ não velejarás/ entre as paredes más". Não às formas instituídas e sem vida. Sim ao direito de dizer não. Ao direito de escrever só para leitores eleitos; sim ao direito de "escrever tão pouco/ que o verso/ não perturbe o silêncio". Sim ao direito de escrever só "quando as dores (o) assaltarem/ que é quando as folhas das (?)/ colhem palavras do não".

Eis aqui o sujeito que não aceita escrever por escrever:


Não. Não escreverás um
só texto
mas o que for dito
e luminoso.


Sujeito fragmentado, porque não se adapta às leis da continuidade estabelecida. Sujeito fragmentado, porque quase toas as suas faces/fases não pertencem à realidade: sujeito extra-realidade.

O sujeito poético retorna no tempo, porque quer desvendar as formas conceituais que propiciam culpa e castigo; retorna no tempo, porque há fragmentos de seu ser ainda presos à realidade, e ele quer libertar-se, assumir o não-constituído.

O sujeito poético é narrativo e lírico, mas não é ficcional. Sua narrativa é verdadeia são suas verdades mais íntimas reveladas aos arrancos: verdades fragmentadas. O sujeito é lírico, mas seus versos não são líricos, são verdades. Sãp épicos. Nova epopéia. Epopéia de 80. Epopéia lírica, poruqe o sujeito é lírico. Os poemas não. Aqui, ao contrário, há a objectividade, porque a realidade dos poemas faz parte da história pessoal do sujeito poético: é realidade pura. O sujeito quer enunciar/anunciar algo que fez/faz parte de sua história pessoal. Narratica épica, épica não-tradicional, porque é a verdade do sujeito, suas experiências de vida como ser que se obriga a ter uma existência concreta. O lado concreto do sujeito poético. A vida é curta, "Vadiemos, pois".

Não há deuses. Criemo-los, pois. Criemos o mítico, no subjectivoda História. Se não há mais como passar além do eu, coloquemos um eu sublimado no centro da História, um eu experiente pluralizado. Não há lugar no mundo para o individualismo, naveguemos, pois todos unidos, Artistas e leitores privilegiados.Não há lugares para super-heróis, sejamos, pois todos, heróis de uma epopéia de seres marcados por vivências desencontradas. Seres, habitantes de um Mundo fragmentado. Não há o tempo épico tradicional, não há demarcações explícitas, porque o tempo não se faz distante. Foi ontem que tudo aconteceu. Foi ontem, mas se encontra distante, temporalmente, dentro do mundo literário do sujeito poético. Se se encontra distante literariamente, nada mais justo do que uma apresentação dos fatos históricos/subjectivos que marcaram a realidade do sujeito. Apresentação: essência do épico, segundo Staiger. Apresentação fragmentada, descontínua, trechos de uma história pessoal, relato que unifica, que se faz ouvir apenas no âmbito do poético. Não há tempo definido, a não ser por datas que pouco esclarecem. Não há espaço, porque o espaço é uno. Não há antes. Não há depois. Há dores. Há sofrimentos. Há angústias. Há o sentimentodo irrealizável. Fragmentos de um cotidiano rico e absoluto para o Poeta. O Absoluto não se encontra mais aquém e além da realidade. O sujeito poético encontrou seu Absoluto no literário é verdadeiro em-si, completo.

E é substancial enquanto expessão da alma.

Se a narrativa é fragmentada, a verdade é inteira. Não há mentiras. Só não vê quem não quer. Os leitores eleitos vêem.

O sujeito é um ser extra-realidade, que assume suas experiências de vida, experiências comunitárias. O sujeito mitificou-se, para produzir o épico. Não há mitos clássicos numa realidade fragmentada. O herói é o sujeito poético, único herói, despersonalizado, porque somatório. Soma de desvalidos existenciais, buscando uma História que os componha, buscando sobreviver no Caos, heroicamente.

"Deixa de / lastimação/ que amanhã/ não acordarás"/, heroi. "Por perto/ ronda o céu/ aberto/ que é necessário ao/ heróico fugir".

Fuga do herói. Busca de céu aberto, com todos os eleitos, se por ventura (ainda) existirem. Busca e, com ele, todas as experiências literárias que se encontram na História.



NEUZA MACHADO
(Doutora em Teoria Literária (UFRJ), Professora Universitária, autora de "O narrador toma a vez": sobre "A hora e a vez de Augusto Matraga" de Guimarães Rosa).

2 comentários:

MIRZE disse...

A princípio, pelo tato ao falar de amor e flores, pensei ser um discípulo de Neruda.

Ledo engano. A poesia neo-lírica de Rogel Samuel inova em vários pontos. São ternas, com muito conteúdo e curtas. Ele não me pareceu preso à nenhuma raíz. Livre conduz com elegância e maestria todos os poemas.
Um novo poeta num velho mundo!

Parabéns!

Mirze

ROGEL SAMUEL disse...

OBRIGADO

Fundo de página : Canan Oner